Lojinha no ar!

Agora as ilustrações lindas do Antonio estão à venda!

Para saber como funciona a compra nos envie um email para contato@coletivoarquitetura.com com seu CEP e o nome das aquarelas que deseja comprar. Te responderemos com todas as informações.

 

Paçoca R$ 75,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 29,7 x 21

pacoca

Peito Aberto R$ 95,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 29,7 x 21

peitoaberto

Puta-Poeta R$ 105,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel aquarela, aquarela, nanquin

LxA= 24 x 11

putapoeta

Pantufa R$ 125,00

Papel aquarela, aquarela, nanquin

LXA= 24 x 28,8

pantufa

Robô Dinossauro R$ 100,00

Papel aquarela, aquarela, nanquin

LXA= 32 x 24

robodinossauro

UTI R$ 135,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 21 x 29,7

uti

Óculos R$ R$ 85,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 19,2 x 15,4

Cópia de oculos

Eletro R$ 95,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 29,7 x 21

eletro

Esqueleto R$ 115,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel telado, aquarela.

LxA= 21 x 23

esqueleto

Chuva R$ 105,00

Tamanho personalizado, papel telado, aquarela, nanquin e caneta.

LxA= 21 x 26,2

chuva

Bandeirinhas R$ 100,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel telado, aquarela, nanquin e caneta.

LxA= 29,7 x 17,50

bandeirinhas

Flor R$ 125,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela e nanquin.

LxA= 29,7 x 21

flor

Amor R$ 145,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel aquarela, aquarela, nanquin e caneta.

LxA= 21 x 24

amor

Órgão R$ 145,00

Tamanho A4, papel telado, aquarela.

LxA= 29,7 x 21

orgao

Coração R$ 125,00 VENDIDO

Tamanho personalizado, papel telado, aquarela, nanquin.

LxA= 24 x 21

coracao

sp-arte

Começa essa semana a sp-arte, feira que reúne galerias do mundo todo num único local.

É uma ótima oportunidade para conhecer novos artistas e por que não começar a sua coleção de arte. O legal é que tem opções de todos os preços e gostos.

 

Onde: Prédio da Bienal, Parque do Ibitapuera

Quando: 4 a 7 de Abril

Quanto: R$ 30,00 – R$ 15,00 (meia entrada)

Mais informações: sp-arte

Postado por: Tatiana

 

p.s. e pra quem gosta de fotografar eles autorizam fotos, sem uso de flash, eu amo fotografar o prédio da Bienal nos mais diversos eventos ;-)

 

Ai Wei wei nos fez entrar no museu descalços

Taícia: vamos escrever Ai Wei Wei hoje a noite? Proposta experimental: on line, você manda uma frase, me inspira e eu respondo com outra frase…e assim vamos. No final temos um texto de frases… Vou mandar a 1a frase, aí quando vc entrar aqui vc escreve a sua e vamo ve o que rola

“Ai Wei Wei nos fez entrar no museu descalços.”

 

Antonio: tiramos o tenis, nos despindo exatamente do que corta nossa ligação com o chão. que era gelado, que fez a gente deslizar como criança e que nos botou, frente a frente, com verdades nuas como agora nossos pés estavam.

 

Taícia: e você é tão foda que eu não posso escrever mais nada depois…. e assim ficamos: eu com o título, o tema e você com a poesia concreta dos pés descalços no museu. tira foto do seu pé que eu tiro do meu, descalços

 

Antonio: combinado! vou cortar a unha antes! rararararara

 

Taícia: hahahaha

 

Antonio: meu pé ja é um horror, com a unha grande seria o desastre! rararararara

 

Taícia: hahaha eu não posso cortar a minha joanete fora. hahaha

 

Antonio: rararararararararara

 

Taícia: Coloquei o selo da exposiçao na joanete pra camuflar hehehhe.. vc posta? beijos

Antonio: rararararararararara. ai, quero o selo mas acho que perdi o meu. AMEI a foto… e posto sim, mas a gente posta só aquele textinho com as fotos? bjbj

Taícia: Sim. E vc acha que depois de voce escrever aquilo a gente precisa de mais alguma palavra? Ja deu uns tabefe em todo mundo e mandou pra exposicao. eu nem consegui pensar depois que te li. Ps: copia o selo do meu e põe no seu :). Beijo

 

E é assim: ela manda e eu obedeço. E quem não for à exposição, tomará uns tabefes. Meus e dela. (e eu fiz meu selo).

 

Ai Weiwei | MIS – Museu da Imagem e do Som

Até 14 de abril de 2013

terça a sexta 12-21, sábado, domingo e feriado 11-20

 

postado por Taícia e Antonio

Você quer que eu te conte tudo sobre ele?

Ia até o SESC. Caminhando. Era sábado de sol, mas as árvores desenhavam uma agradável sombra. O amigo com quem eu iria me encontrar furou. Normalmente isso me irrita, ele sempre fura, mas o dia estava bonito e eu relaxei.Gostei tanto da caminhada que me atrasei também para o show que pretendia ver. No caminho, os varais pendurados de Héctor Zamora me chamaram para o museu do Centro Universitário Maria Antonia da USP. Entrei. Vi, me encantei , fotografei e fui descobrir as outras exposições. Um segurança me acompanhou, precisava ter certeza de que eu não fotografaria as outras obras. Vi a 2ª, a 3ª, na última exposição decidi conversar com ele, minha única companhia no museu. O Sr. Segurança havia me perguntado se eu era artista ou professora. Disse que não, que era apenas uma pessoa. Ele riu. Perguntei se ele gostava de arte. Ele disse que sim, mas que não entendia disso, precisava que alguém lhe explicasse o que via. Eu disse que também não entendia, que via tudo, lia (as vezes) as explicações nas paredes e decidia, como uma criança espontânea, se gostava ou não. Ele me perguntou se eu tinha ido à Bienal. Disse que sim, mas só no 1º andar. Ele me perguntou se eu conhecia o Bispo do Rosário (exposto em um dos andares superiores da Bienal). Eu disse que um pouco. Me perguntou se eu sabia sua história. Disse que só sabia que viveu a vida em um manicômio fazendo sua arte. E ele então me perguntou quase saltitante: “Você quer que eu te conte tudo sobre ele? Tem um tempinho pra ouvir?”. Eu surpresa:”Claro que sim!!” E assim, um sábado de sol, um amigo furão e os varais pendurados de Zamora me levaram a uma das melhores aulas de arte que já tive, e o Sr. Segurança virou Sr. Erasmo, que com os olhinhos brilhantes e passinhos em círculo me passou de forma simples, bonita e empolgante o que um dia outro alguém lhe explicou. Que me fez ver tudo o que eu ainda não tinha visto de Bispo do Rosário. E agora eu, como uma ovelhinha do rebanho de contadores de histórias, me sinto sedenta para passar isso adiante, para apenas umas pessoas, espero de forma tão simples, bonita e empolgante como o Sr. Segurança, que se tornou Sr. Erasmo, me contou um dia.

 

De 29 novembro 2012 a 10 março 2013

terça a sexta, 10 às 21h

sábados, domingos e feriados, 10 às 18h

Centro Universitário Maria Antonia- USP

rua Maria Antonia, 258 e 294- São Paulo

Entrada gratúita

 

Incríveis acasos possíveis: aulas espontâneas com Sr. Erasmo

 

Postado por Taícia

america, la revelacion

Eu adoro quando as ordens das coisas mudam, quando as verdades trocam de lugar e quando a gente tem só a opção de duvidar de tudo. E de todos. Porque só assim a gente continua andando, só assim a gente continua pensando, agindo, achando novas verdades para, logo depois, transformá-las em versões ultrapassadas.

E grande Julia indicou esse documentário. Porque la revelacion es la grand revolucion.

____________________________________ http://www.americalarevelacion.com/_____________________________________

Postado por: Antonio

Brincando no ar

Quem não gostaria de andar no ar, de flutuar, de brincar de cair sem se machucar, de usar nossos corpos para moldar tempo e espaço? É nisso tudo e mais um pouco que o artista argentino Tomás Saraceno se baseou para montar sua ‘On Space Time Foam’ ou como o próprio artista a referencia, ‘la lasagna’. Uma mistura de física quantica e arte que propõe três camadas de membranas maleáveis suspensas a 25m do chão, nas quais voltamos a ser criança. Inteligente, intrigante, facinante!

Playing on the air

Who has never wished to walk on the air, to float, to play of falling without getting hurt, to use her/his body to shape time and space? Argentinian artist Tomás Saraceno relied on that wishes and a bit more to build ‘On Space Time Foam’, or, as the artist calls, ‘la lasagna’. A mix of quantic physics and art which proposes three layers of malleable membranes 25-metres above ground, where people feel like back to their childhood. Intelligent, intriguing, fascinating!

  

Até 3 de  Fevereiro 2013
Tomás Saraceno: On Space Time Foam
HangarBicocca
Via Privata Chiese 2, Milan

Postado por Taícia

exposição Viagem através do desenho

No dia dos professores quem ganha o presente sou eu indo à exposição dos desenhos lindos e delicados de Vinicius Pellegrino. E toda vez que os vejo volto num tempo que sequer vivi, num outro ritmo, numa outra memória. Me remonto aos livros, à história e ao passado para continuar desenhando hoje em dia.

Exposição: Viagem através do desenho

15 outubro a 31 outubro

Palácio 9 de Julho, Assembléia Legislativa, Espaço Cultural Candido Portinati (Mezanio Ibirapuera)

Postado por: Antonio

Becos= pessoas + arte

Amo arte de rua. Sim às vezes elas sujam e degradam. Mas uma iniciativa em Melborne, na Austrália, me fez pensar que talvez pensamos que sujam e degradam porque normalmente só as vemos como poluição. Em Melborne, movimentos inspirados pela arte de rua do Reino Unido se  tornaram populares em torno do ano 2000. Stencils, posters e outras formas de expressão se somaram às paredes sem vida de becos, estações de trem e aonde mais fosse possível criá-las.  Logo, galerias, poder público e privado começaram a olhar com outros olhos para a ‘poluição’. Embora o debate a respeito do que é arte ou não ainda exista, o valor desses trabalhos nos espaços públicos como promotor de cultura, na percepção de lugar e identidade é claro.  Os esquecidos becos, sem vida, renascem , ao democratizar arte e atrair pessoas. Cafés, lojas, restaurantes e músicos também foram atraídos para os becos e contribuem para que Melbourne seja hoje reconhecida por esses espaços, talvez muito mais, do que porque qualquer outra grande obra. É reconhecida porque pessoas, arte e cultura estão tomando conta do espaço público, o mantendo vivo. Vamos viver mais nas ruas!!!!?

Laneways= people+art

I love street art. Sometimes they dirty and degrade the city. But an initiative in Melbourn, Autralia, made me think perhaps we consider they dirty and degrade because we only understand them as pollution. In Melbourn, the inspiration came from UK around the year 2000. Stencils, posters and other kinds of expression were summed to graffiti on the lifeless walls of the laneways, train stations and where else more it could be created. Soon, galleries, public and private parties changed the way they looked to that ‘pollution’. Even though there is still a debate regarding whether it is art, the city of Melbourn recognizes these works in the public domain has the capacity to create an unique sense of culture, place and identity. The forgotten laneways, lifeless, came to life once they democratize art and attract people. Cafes, shops, restaurants and musicians were also attracted to the laneways and contribute to the international recognition of Melbourn because of these areas, probably rather than any other remarkable building. The city is recognized because people, art and culture are taking care of the public space, keeping it live. So, lets live more on the streets!!!?

 

Ilustrações de Iñaki Aliste Lizarralde

Sempre adorei as ilustrações de plantas baixas feitas à mão e coloridas, mas confesso que não tenho talento nenhum para desenha-las.

O artista espanhol Iñaki Aliste Lizarralde, recriou os apartamentos de vários personagens velhos conhecidos nossos em ilustrações pra lá de detalhadas.

Qual é a sua favorita?

 

As imagens estão disponíveis para compra no Pinterest do artista.

Postado por: Tatiana

desenho: voa amor

Desenho em papel canson, aquarela e canela preta.

Postado por: Antonio