Cor do céu

Eu ando pela cidade meio perdido, meio olhando para o céu.

Eu ando pela cidade cinza, procurando poesias desenhadas em suas paredes sujas e rabiscadas pelos sprays pretos comprados a vinte reais na loja da esquina. Naquela esquina da loja estranha e feia, com texturas coloridas mais feias e mais estranhas que a loja feia insiste estranhamente em vender.

Meio perdido na cidade que pouco se acha, me acho de vez em quando olhando para o céu. E comigo, a cada passo que dou, me fazendo companhia nessa cidade sozinha, vou com palavras que vão surgindo em seus caminhos sinuosos e secretos. Em seu percurso longo e conhecido, todo dia sempre igual, crio a rotina de procurar a cada dia, cada dia sempre igual, novas palavras sinuosas e longas nessa cidade estranha, suja e cinza toda vez que ando meio perdido, meio olhando para o céu.

E como em um texto solitário e angustiado eu sozinho fico andando por ai nessa cidade de duzentos bilhões de pessoas. E ela vai me dando companhia através de desenhos feitos pela luz nos recortes desse céu difícil de ser visto. Duzentos bilhões de pessoas amontoadas em prédios sujos e rabiscados com sprays que escondem, vez ou outra, meu companheiro céu quando ando meio perdido pela cidade.

Perdido. Fico cada dia mais perdido nela que sabe exatamente o que é. Sem se definir, ela vai se criando e se formando. Definida por sua não definição, a cidade me deixa perdido, e perdido me acho no redemoinho da perdição de um lugar com luzes que rendam o chão rabiscado de sujeiras e palavras produzidas e pensadas para e por ela, por duzentos bilhões de pessoas que moram amontoados em prédios que escondem seu céu.

E me sinto tão forte por ser perdido, por cada dia encontrar uma sujeira conhecia e outra nova nas poucas vezes que não olho para cima, que me acho nessa cidade que se perde em suas bilhões de definições.

Essa é a rotina que faz eu me achar em momentos que procuro palavras soltas em curvas duras de suas longas e sinuosas ruas. Rotina de uma cidade de duzentos bilhões de habitantes, muitos perdidos como eu, que se acham na sua estranheza e em seus incontáveis tons de cinza, tantos quanto as palavras e luzes perdidas dessa cidade com bilhões de ruas longas, sujas e rabiscadas.

E eu ando sempre do mesmo lado da calçada, essa é a minha rotina. E olho sempre para o céu, meio perdido na cidade construída que constrói, a cada passo meu, mais definições e desenhos com as luzes feitas pelos seus prédios altos para bilhões de pessoas morarem nela quando tapam o seu céu.

Às vezes mudo de lado da rua que todo dia passo. Que todo dia passo e faço sempre igual olhando para o céu de uma cidade definida sem definição. Às vezes mudo de lado da rua que todo dia passo para que um novo céu se abra. E uma nova cor no meu novo céu se cria nessa cidade que não cansa de não ter definição.

 

texto publicado no malvadezas.

Postado por: Antonio

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *