dance para mim

quando eu mais quiser, quando você menos precisar. Dance para mim daquele jeito belo e desesperado, com toda a pressa e vontade eterna do segundo mais rápido do mundo. E eu ficarei anos depois para reconstruir esse instante. Anos reconstruindo em minha mente quase doentia os movimentos bobos e aleatórios que você fez, sem querer querendo, para mim, só para mim.

Dance porque é assim que nos conhecemos e é assim que você fica mais perto do meu mundo. Porque, ao contrário do que todo mundo sempre pensa, felicidade não é viver uma grande paixão mas ter alguém que te faça sorrir com passos desengonçados e quase nenhum ritmo.

Porque só na dança eu, primeira pessoa do singular, vejo você, primeira pessoa que penso quando estou feliz. Só nela e com ela eu consigo, mesmo somente olhando, participar de um momento íntimo e intransferível. Porque eu-chão, seu-chão, não tenho como não amar seus pés firmes encima de mim. Somos a equação fácil do amor do solo com a árvore, do ritmo com a vontade de se mexer, do óbvio feijão com o arroz e da deliciosa piscadinha com o sorriso mais terno e doce que existe.

Dance olhando para baixo, fechando os olhos de leve, mexendo os braços fazendo-os desenhar o ar. Dance trocando os pés de lugar, rabiscando o mundo num mapa imaginário onde só tem sentido se você e eu, vez ou outra, nos esbarrarmos por ai. Dance aquela música indie estranha, que todo mundo só vai se acostumar com sua sonoridade daqui a um ano ou mais, porque você tem o movimento como tema e usa com isso o compasso da leveza quando quer me conquistar.

E quando eu ficar doente, dance ao pé da minha cama. E quando o mundo gritar com você, responda com o mais suave e decidido gesto de braços e pernas e cabeça e ombros e barriga e pescoço e dedos e pele e pelos. Porque é disso que o mundo precisa e é isso que eu espero de você.

E dance para mim quando acabar o nosso amor,

dance para mim para passar a minha dor,

dance sem precisar ser feliz,

sem motivo, dance, apenas dance.

 

E se eu fosse Nora Ephron faria um filme sobre você dançando. Mas não sou. Fico assim com o pedido cabal e fatal, pela última vez: dance para mim. Só para mim.

nota: fui assistir ao filme da Madonna, W.E., que não é da Nora Ephron, mas isso pouco importa. Sai de lá só pensando em dançar. E é assim que vai ser.

 

texto piblicado no malvadezas

Postado por: Antonio

Móvel bexiga, Revestir2011

A Revestir 2011 propôs que os materiais de acabamento saissem de seu lugar comum no evento promovido na Casa Glamurama. E foi assim que o Estúdio Xingu fez um piso voar com balões, luz e linhas delicadas porque quando o chão sai do lugar, tudo muda. E a base subiu para receber novas ideias e pequenas poesias. Porque o que sustenta de verdade a gente é poesia e não chão.

Ano de execução: dez/2010.

parceira com o Estúdio Xingu.

 

Postado por: Antonio

inspiração do dia

 

Postado por: Antonio

Praça=Platz=Lugar

Acredito no espaço público como extensão de nossas casas. Outro dia percebi que em alemão a palavra usada para praça (Platz) é a mesma usada para lugar (Platz). Fiquei feliz e surpresa quando, no trem, me perguntaram se aquele era o meu lugar (Platz). Respondi que sim e pensei, então a praça é o meu lugar!?. Não só a praça, mas o espaço público que só tem sentido de existir quando apropriado. Era isso o que eu não encontrava na minha rotina em São Paulo e foi exatamente isso que encontrei em Berlim. Uma cidade que te aceita e aceita ser apropriada descaradamente. E hoje, quase meia noite,  encontrei um bom exemplo na apropriação da parede de trás de um supermercado. Alí, a simples projeção trouxe vida pra aquele lugar (Platz) já apagado e sem uso. E lá as pessoas paravam, olhavam, sorriam e deviam enfim seguir para suas casas, ou melhor para seus quartos, porque a cidade é a sua casa, seu lugar, seu ‘Platz’.
I believe in the public space as an extension of our homes. Other day I realized that in German the word for ‘square’ (Platz) is the same used for ‘place’ (Platz). I was surprised when, in the train, someone asked me if that was my place (Platz). I answered yes and thought, then the square is my place!? Not only the square, but the public space in general, that only makes sense when appropriated. This was what I did not have on my rotine in São Paulo. This is what I find everyday in Berlim. A city which accepts you and accepts to be insistently appropriated. Today, almost mid night, I found an example of this approppriation on the parking lot’s wall of a supermarket. There, a simple projection brought life to the already unused place (Platz). There, people stopped, watched, smiled and probably followed to home, or rather, followed to their rooms, because the city is their home, their place, their Platz.
Postado por: Taícia

On the Road

Porque nada é mais legal do que andar. E porque chegar lá não tem relação nenhuma (ou pouca, muito pouca relação) com o lugar da chegada, mas com o ir em si. E o filme é lindo. Lindo porque te toca daquele jeito quente que queima e arde por dentro, daquele jeito doido que te faz querer andar, sem rumo mas com direção.

E eu queria ser Sal para mim. E queria ser Dean para outros Sals.

Postado por: Antonio

Brilhante e Terrível

Quando vim à Berlin pela primeira vez fui direto ao museu Judaico. Ele estava fechando, mas senti a necessidade urgente de voltar no dia seguinte. Voltei e me impressionei. Uma arquitetura que faz com que você se sinta, como eu nunca pude imaginar, no holocausto, no exilio e repleto de incertezas a respeito da continuidade das nossas vidas. Final de semana passado voltei mais uma vez. Senti tudo de novo, no holocausto, exilada e incerta a respeito da vida. Decidi que iria além e andaria sobre a brilhante e terrível obra de Menashe Kadishman. Shalekhet (Folhas caidas) preenche com 10,000 faces de metal um dos vazios deixados por Daniel Libeskind em memória dos mortos durante o holocausto. Ao caminhar sobre as faces fazemos com que elas ganhem voz. Mas as vozes gritam, choram e ecoam no vazio e nos fazem sentir a cada passo a dor e o drama de cada folha caída. Brilhante e terrivel. Impressionante sentir como arquitetura e arte são capazes de nos posicionar em um mundo que não conhecemos, nos fazendo refletir ao ‘calçar o sapato do outro’.
When I visited Berlin for the first time I went straight to the Jewish Museum. It was closing but I felt the urgent need to return the next day. I went back and was impressed. The architecture made me feel as I counld never imagine, in the Holocaust, in the exile and full of uncertains about the continuity of my life. Last weekend I returned once more. I felt everything again. In the Holocaust, exile and the uncertanties. I decided I would go further and step upon the brilhant and terrible installation by Menashe Kadishman. Shalekhet (Fallen Leaves) occupy with 10,000 metal faces one of the voides left by Daniel Libeskind in memory of the dead during the Holocaust. When walking on the faces they gained voice. But the voices were screaming, crying and echo in the emptiness and made me feel at every step the pain and drama of each fallen leave. Brilhant and terrible. Impressive to feel how architecture and art are able to position us in a world we do not know, making us reflect by ‘wearing the shoes of others’.
Link exposição permanente: Shalekhet – Fallen Leaves

Postado por: Taícia

Arquitetura em Portugal

É sempre uma aventura quando começo a planejar uma viagem e a dessas férias não foi diferente. Nunca estive em Portugal portanto saí em busca de guias e aplicativos para iphone e ipad para facilitar minha vida em terras lusitanas.

Uma grata descoberta foi o aplicativo Architectural Guide Portugal, para saber mais sobre os guias entre aqui “Guias de Arquitectura” . O escritório português Traço Alternativo Arquitectos Associados é o responsável por listar as obras de arquitetura contemporânea de Portugal. O texto de apresentação é do incrível Álvaro Siza, muitas obras do guia são de Siza e outros importantes arquitetos portugueses.

No aplicativo pode-se buscar as obras por autor, localidade, função e outros.

Para quem acha que Portugal se resume em apenas construções históricas antigas essa é uma excelente ferramenta para conhecer uma outra Portugal.

 

Postado por: Tatiana

 

Concurso para a Expansão do Museu do Meio Ambiente, RJ

Projeto feito por Antonio Fabiano Jr., Camilla Santino e Taícia Marques para o concurso para a Expansão do Museu do Meio Ambiente, no Rio de Janeiro

Ano: 2010.

Porque museu é percurso.

Postado por: Antonio

a caverna dos sonhos esquecidos

Em 2000 fechei o século emergindo numa seara que eu não tinha muita ideia da onde estava me metendo. Fui para São Raimundo Nonato ver desenhos rupestres e na minha cabeça de anos 2000 fui também esmiuçar um centro de Brasil que mal passa na televisão. Doze anos se passaram e vi que hoje sou fruto dessa viagem que durou 10 dias mas que perdura em mim cotidianamente seja quando reflito sobre o tempo, quando dou valor real e irrestrito ao desenho e quando sinto que o miolo do interior percorre completamente em mim ora em textos que escrevo, ora em como me porto, ora em como dou aula, ora em como amo saber que fui pra la. E com quem fui e como fui.

E depois de doze anos Vera indica um filme e eu fui assisti-lo com a Mirtes porque não existe nenhum sentido eu não ouvir Vera e não fazer com Mirtes.

E os desenhos são lindos e eu quis sair de lá e desenhar nas paredes de casa, no o buraco que vivo, que penso e que existo.

Postado por: Antonio

One SQM House

Um metro quadrado. Uma ideia. Um milhão de possibilidades.

Postado por: Antonio